No dia 5 de junho é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data conta com 48 anos de existência e foi criada pela ONU – Organização das Nações Unidas durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, em Estocolmo (Suécia).

A comemoração existe para sensibilizar a população mundial sobre a importância da preservação dos recursos naturais do Planeta, promovendo iniciativas para a proteção ambiental e o consumo consciente, como garantia para um futuro sustentável às próximas gerações. Em outras palavras, possibilita que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de subsistência em comunidade, fazendo uso equilibrado dos recursos naturais considerando as consequências das suas ações para o meio ambiente.

A preservação ambiental é um dos maiores desafios da sociedade moderna, um alerta para a mudança de hábitos e ações que levem a recuperação e preservação das espécies, para a perpetuação da vida, inclusive, da vida humana.

Santa Catarina reduziu em 22% o desmatamento de Mata Atlântica entre os anos de 2018 e 2019. O estado conserva 2.186.316 hectares de áreas de florestas remanescentes de Mata Atlântica, o que corresponde a 22,8%. Quando acrescidos ecossistemas como campos, manguezais, áreas de dunas, entre outros, a cobertura nativa sobe para 28%, colocando Santa Catarina em segundo no Brasil com a maior área de Mata Atlântica, o Piauí ocupa o primeiro lugar. As informações são do IMA – Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina.

A redução no desmatamento deve-se a vários fatores, como mais parcerias com a Polícia Militar Ambiental e a intensificação das ações de fiscalização, a inovação no uso de ferramentas digitais que auxiliam o monitoramento, a criação de novas políticas públicas, além da conscientização dos gestores, empreendedores e da população em geral para a importância da preservação da natureza.

São várias as iniciativas que Santa Catarina tem implementado e ainda vai implementar nos próximos anos:


O Projeto Tamar

O Projeto Tamar é reconhecido internacionalmente como uma das mais bem-sucedidas experiências de conservação marinha, sobretudo porque envolve as comunidades costeiras diretamente no seu trabalho socioambiental.

Projeto Tamar

Instalada na Barra da Lagoa, em Florianópolis, o projeto recebe grupos em visitas e tem suas ações de educação ambiental dirigidas prioritariamente para as escolas públicas de ensino fundamental e médio. O Projeto tem o objetivo de trabalhar a educação ambiental, informação, sensibilização e divulgação do Tamar junto ao público em geral, através de palestras e exposições realizadas em eventos promovidos por outras instituições, públicas ou privadas, em Florianópolis.


O Parque Estadual do Rio Vermelho

O Parque Estadual do Rio Vermelho é uma unidade de conservação de proteção integral, situado a nordeste de Florianópolis, entre a Praia de Moçambique, à leste, e a Lagoa da Conceição, à oeste.

Foto De Olho na Ilha

O Parque visa conservar amostras de Floresta Atlântica, da Vegetação de Restinga e da fauna, associada ao domínio da Mata Atlântica, o intuito é manter o equilíbrio do complexo hídrico da região, além de propiciar ações ordenadas de recuperação de seus ecossistemas alterados e proporcionar a realização de pesquisas científicas.

O espaço ainda é aberto para a visitação pública com o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambientais, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico.


O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, maior unidade de conservação de proteção integral do Estado, foi criado com o objetivo de proteger a rica biodiversidade da região e os mananciais hídricos que abastecem as cidades da Grande Florianópolis e do Sul do Estado.

Portal Palhoça

O nome da Unidade de Conservação é uma homenagem a uma das serras da área do Parque que possui um cume de formato tabular, bastante visível da região de Florianópolis: a Serra do Tabuleiro.

Localizado em uma região estratégica, o Parque possui uma ampla diversidade de habitats, com cinco das seis grandes formações vegetais do bioma Mata Atlântica encontradas no Estado. Cada ecossistema tem sua fauna e flora características, assim como suas espécies dominantes. As ilhas costeiras que fazem parte da unidade também apresentam suas singularidades.

O Parque ocupa cerca de 1% do território catarinense, com um campo de pesquisas incomparável. Localizado próximo a grandes centros urbanos, o local conta com um centro de visitantes para educação ambiental e trilhas para a prática do turismo ecológico, onde o público pode ter contato com espécies nativas.


Santa Catarina é pioneira na criação da instrução normativa do Projeto Orla

Na zona costeira existe uma série de conflitos e interesses, em especial quanto aos usos da orla marítima. No intuito de disciplinar o uso e a ocupação da orla, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Secretaria do Patrimônio da União (SPU) criaram o Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima (Projeto Orla).

A medida auxilia, simplifica e desburocratiza a elaboração do Plano de Gestão Integrada da Orla Marítima dos municípios costeiros com a finalidade de estabelecer condições para uma melhor gestão dos espaços litorâneos e melhoria continuada, orientada para o uso racional e a qualificação ambiental e urbanística dos territórios.

NSC Total

A ação responde as demandas de ordenamento do uso e ocupação das bordas litorâneas e fomenta a adesão das cidades ao projeto que pode trazer mais benefícios às comunidades locais e aos próprios turistas.

O turismo sustentável também pode criar benefícios econômicos para áreas protegidas e seu entorno, estimulando o apoio à conservação ambiental. Aumentar a conscientização em relação às questões ambientais e ampliar o conceito sobre a sustentabilidade, são ações fundamentais para minimizar os impactos negativos ao meio ambiente.

Lembre-se, a mudança começa em você!
O Dia Mundial do Meio Ambiente pode ser o ponto de partida para começar a adotar medidas responsáveis e de consumo consciente para preservação do nosso Planeta.